SPODF

1. Biomecanicamente o termo torque refere-se a um binário
ou a um momento puro, implicando a presença de duas forças opostas, não colineares e paralelas, de igual magnitude, que promovem uma tendência à rotação muito próxima do centro de resistência1,2.
2. As ativações dos alinhadores não promovem binários, e consequentemente não produzem torque3,4,5. No entanto, tal não significa que o movimento radicular controlado não
seja possível realizar, sendo no entanto necessário determinar um sistema de forças3,4,5,6,7,8,9.
3. A força desenvolvida pelo Power Ridge (PR) cervical (Fig.1), produzirá um momento que leva à inclinação palatina da coroa. Uma força de diferente magnitude, exercida na face palatina e com distância superior ao centro de resistência, originará um momento superior ao gerado pelo PR3,4,5,8,9.
4. Os alinhadores Invisalign® controlam o movimento radicular pela geração de momentos e contramomentos, através de um sistema de forças, e não pela modificação da forma do alinhador em função do posicionamento dentário 

(Fig.2)4,5,6,7,8. Devido à incompatibilidade do sistema em associar um PR e um attachment, alguns clínicos optam pela inclusão de um attachment para diminuir a desadaptação do alinhador11. Adicionalmente, uma depressão na superfície do alinhador poderá ser realizada na tentativa de mimetizar um PR, o que constitui uma deformação plástica colapsável e que pode promover a sua distorção durante a inserção3,4,5.
5. A correção da retroinclinação dos incisivos poderá ser sequenciada em pró-inclinação coronária seguida do movimento radicular palatino. A pró-inclinação constitui uma inclinação não -controlada, sem necessidade de um PR para ocorrer, permitindo a inclusão de um attachment até
à correção da posição da coroa (Fig.3). Ao solicitar “additional aligners” sem que seja removido o attachment, levará o sistema a reconhecê-lo como uma alteração anatómica, ultrapassando a incompatibilidade com o PR, permitindo a sua presença durante a correção radicular (Fig.4). Assim, é possível aumentar a retenção do alinhador e manter o sistema de forças associado ao PR, desde que o movimento seja segmentado (Fig.5)

 

Escrito por David Matos

Artigo retirado da Revista Clínica de Ortodontia da SPODF N.5

SPODF